segunda-feira, 27 de junho de 2011

O que são ... Ansiedade, Angústia, Depressão, Traumas, Complexos, Estresse, Sentimento de Culpa

1 - ANSIEDADE 

Etimologicamente o termo origina-se do LATIM que significa anxia, tendo mais uma conotação de anseio, ânsia.


A ansiedade vem se configurando como um dos grandes problemas de nossos tempos modernos.





Evolutivamente faz muito pouco tempo que saímos dos tempos da caverna.









Mas inconscientemente ainda funcionamos movidos pelos mecanismos de nossos ancestrais.
A ANSIEDADE sob condições normais previne contra um perigo iminente, pois ela desperta a pessoa a luta ou fuga, dependendo da situação.

                                   

Os perigos atuais são diferetes, mas a necessidade de luta é constante.


O perigo de hoje, transcende e muito o perigo de vida biológico.

 

 

Ansiedade é uma característica normal dos indivíduos, que antecede momentos de medo,  perigo ou de tensão.

 

 

Todos podem sentir ansiedade, principalmente com a sua vida atribulada atual.

 

 



O perigo é neste caso, pois apesar de um estado de tranqüilidade, isento de fatores estressantes o indivíduo continua sentindo-se ansioso seria o início da preocupação.

 

 

 

 

 

 

 



 

Exemplo que a ansiedade é normal: quando uma mãe que vê seu filho se afogando precisa deste estado ansioso para reagir e ajudá-lo.



TUDO INICIA no CÉREBRO


SNC - Sistema nevoso Central, órgão responsável por interpretar a situação de perigo e estimula o nosso corpo a luta ou a fuga.

 


O nosso SNC necessita de uma situação de conforto e de segurança para usufruir a sensação de repouso e de bem estar.

Quando essa percepção é alertada para uma situação de perigo a este estado acontece o estado ansioso.


Toda esta excitação acontece decorrente de uma descarga no cérebor de um Neurotransmissor (substância química) chamado Noradrenalina.










Ansiedade “normal” – Embora pareça paradoxal, a medicina encara a maioria das ansiedades como normais.

– Pois as pessoas quando se sente ameaçada, com o perigo real, tem esta descarga no cérebro, mas ocorre ocasionalmente ou em circunstâncias específicas, e não há prejuízo significativos ao indivíduo.

CURIOSIDADE:
No caso das pessoas tímidas elas acabam formando um padrão ansioso constante.





Para ser condição acima do normal a ansiedade precisa atender a determinados critérios, tais como:

Ocorrer na maioria dos dias num período mínimo de 6 meses.









Apresentar pelo menos três dos seguintes sinais e sintomas:
= irritabilidade,
= fatigabilidade,
= inquietação,
= tensão muscular,
= distúrbio do sono,
= dificuldade de concentração.

Ou seja,é um estado afetivo caracterizado por um sentimento de insegurança; é um desejo ardente, uma aflição, uma incerteza quanto ao amanhã.




É a sensação, às vezes vaga, de que algo desagradável está para acontecer. A pessoa se sente na "corda bamba" da vida.


SISTEMA lÍMBICO -- onde existe a liberação das emoções. Inclui um conjunto de sintomas, como "tensão" e "nervosismo", e do ponto de vista físico, tremores nas mãos, "frio na boca do estômago" e, nos casos mais intensos, desarranjos intestinais e urinários.



A ansiedade dos tempos modernos é gerada nos indivíduos devido à forma agitada como elas vivem.



Sentindo-se pressionada, com isto o estresse virou algo corriqueiro e os fatores que dispararam o estado ansioso são:

= perda de status,
= de conforto,
= de poder econômico,
= de afetos,
= amizades,
= de privilégios, vantagens,
= de possibilidade de concretizar interesses,
= de vaidade,

Pelo DSM - IV a ansiedade é uma perturbação psíquica caracterizada por um estado quase constante e permanente:

= de inquietação,
= de preocupação,
= de angústia,  
= de intranqüilidade,
= de desassossego,
= de medo, etc.



Que provoca um mal estar e uma tensão constante.


A pessoa está sempre num estado de constante tensão. Ela sente-se intranqüila e as situações á sua volta criam-lhe muitas vezes um mal estar que ela não consegue definir nem controlar. 







Pelo DSM - IV e o CID - 10, a ansiedade acaba tornando-se uma constante na vida de muitas pessoas, dependendo do grau que ela é vivida e pode se tornar patológica e acarretar em muitos problemas, como o TRANSTORNO DA ANSIEDADE.






Neste caso é necessário a ajuda dos médicos, pois além da terapia sozinha será necessário utilização dos remédios. 



Pois o estado de espírito se altera negativamente e na vida da  pessoa ela acaba se  afastando da realidade à sua volta, e muitas ela pode prejudicar sua vida como um todo.



Poderíamos dizer que a ansiedade é o grande sintoma de características psicológicas que mostra a INTERSECÇÃO entre o FÍSICO e PSÍQUICO.





 Uma vez que tem claros sintomas físicos como:

Taquicardia, sudorese, tremores,
Tensão muscular, aumento das secreções (urinárias e fecais)
Aumento da motilidade intestinal,
Cefaléia (dor de cabeça).








E quando recorrente e intensa poderia desencadear a Síndrome do Pânico, que é o medo de ter medo (ou crise ansiosa aguda).





reconhecer o estado  ansioso







= através do PROCESSO DO AUTOCONHECIMENTO de fatores multidisciplinares como da Psicanálise,
= através da prática de exercícios físicos de forma a liberarem o neurotransmissor, que é a noradrenalina grande gerador de stress,
= através de uma vida mais descontraida pois irá trazer uma qualidade de vida aos indivíduos.



ORIGEM



















1ª) A ansiedade pode ter uma origem genética, ou seja, a pessoa herda de seus familiares uma pré-disposição para ter estes sintomas.

2ª) É uma infância carente e problemática onde as dificuldades dos pais, mas principalmente da mãe de passar afeto e suprir as carências afetivas da criança, vão fazendo com que ela vá se sentindo insegura e exposta e vá gravando e condicionando um sentimento de que coisas ruins e sensações negativas podem acontecer a qualquer momento.

3ª) A dificuldade de incorporar fatos e intercorrências novas ou desconhecidas. O velho ou conhecido sempre traz a sensação de segurança e controle. O novo por sua vez tem a capacidade de potencializar a sensação de medo no sentido de que algo ruim ou perigoso pode vir á acontecer. É mais ou menos assim, “Tudo que vem de mim é seguro e tudo que vem de fora e não está sob controle é perigoso".

4ª) Consequências do estado ansioso:



1 - Transtorno Obsessivo Compulsivo
2 - Transtorno Ansioso
3 - Transtorno Hipocondríaco
4 - Transtorno Histérico
5 - Transtorno Fóbico








2 - ANGÚSTIA 

Angústia, reflete bem a sensação "física" de estreitamento, de opressão que acompanha os sintomas da angústia.
Latim Etimologicamente o termo angústia deriva de angor que significa estreitamento.


Agressão vem do latim "gradior", que significa movimento para a frente.








Poderíamos conceituar como sendo uma dor psíquica, decorrente de um medo da perda de algo nem sempre claramente localizado, com relação a questões do PASSADO. 

Em se tratando de reações de medo a objetos ou situações definidas, teríamos a angústia atual; ao passo que sendo resposta a um medo desconhecido, não identificado, teremos a angústia neurótica







Trata-se de um sentimento generalizado de tristeza, cujo grau pode variar de um desalento moderado até ao mais intenso desespero.






Causa desânimo, uma profunda tristeza e até vontade de morrer.

É um sentimento de desespero e incapacidade de lidar com a vida.

O período de duração da depressão é bastante variável, podendo desaparecer em poucos dias ou estender-se por semanas, meses e até anos a fio.



2.1 - Angústia Vital

A angústia vital como o elemento básico da personalidade humana, podendo surgir sem características patológicas, mas, em condições mórbidas, está representada por seus graus mais acentuados.

Surge devido a espasmos das coronárias (angina do peito), à perda de sangue (sempre que não leve à inconsciência), à dificuldade respiratória (asma brônquica, estrangulação) ou a asma cardíaca.



Nesses casos, a reação psíquica é perfeitamente normal: "O objeto se apresenta no consciente sob a forma de sensações viscerais". A angústia vital, exceto nos casos de depressão, indica um grave transtorno orgânico.

2.2 - Angústia Real - O perigo ameaça a partir da circunstância.

Ao contrário da Angústia Vital, a Angústia Real tem origem em uma ameaça conscientemente percebida, a qual provém do meio exterior e não de alguma parte interna do corpo.






Circunstâncias da vida persistentemente humilhantes podem ocasionar o desenvolvimento de um estado de angústia crônica.

2.3 - Angústia Moral

O perigo se encontra localizado na própria psique e, especialmente, em determinadas tendências psíquicas primitivas, que são afastadas por outras tendências, superiores e mais evoluídas, e que se orientam em outros conflito.


3 - DEPRESSÃO 

Trata-se de um sentimento generalizado de tristeza, cujo grau pode variar de um desalento moderado até ao mais intenso desespero.


Causa desânimo, uma profunda tristeza e até vontade de morrer. É um sentimento de desespero e incapacidade de lidar com a vida.







O período de duração da depressão é bastante variável, podendo desaparecer em poucos dias ou estender-se por semanas, mêses e até anos a fio.

4 - TRAUMAS 

É um choque emocional, que por sua violência desencadeia perturbações na mente (psiquicas) e no corpo (somaticas).

São experiências de sofrimento emocional, humilhações, vivências de forte impacto, medos, reações de ansiedade desmedida, ou seja, quando a reação não é compatível ao evento.



A MARCA QUE PODE SER MALDITA: O TRAUMA EMOCIONAL 

Em nossa cultura aprendemos ao longo das gerações, que sofrer faz parte da vida.







Ensinaram-nos que sofrer é necessário: o aprendizado tem que ser duro e de preferência com sofrimentos, gemidos e dores.

Assim, os pensamentos que permeiam nossa sociedade levam algumas pessoas a achar que quem tem um trauma emocional é frescura ou que já passa.











O conhecimento humano evoluiu, e agora sabemos que os sofredores podem fazer suas escolhas.

Por isso, mudar nossos valores pode ser muito importante para reduzir ou eliminar os sofrimentos provocados pelos "traumas emocionais" e propiciar uma vida saudável.

Os traumas emocionais podem ter origem nas experiências do passado, no presente ou nas possibilidades do futuro.
Os traumas do passado ou do presente podem acontecer em qualquer tipo de experiência que se torna "dolorosa" para alguém.
Como exemplos:
= Perda de um ente querido,
= Uma separação,
= Uma surra (abuso físico),
= Abusos sexuais, ou mesmo experiências que não trazem risco para as pessoas, como as fobias.
= Catástrofes naturais (tempestades, chuvas torrenciais, terremotos, ressacas do mar, deslizamentos de morros, incêndios),
= Pessoas submetidas a riscos de vida (acidentes de veículos, acidentes de qualquer natureza, guerras),
= Ou mesmo experiências que não trazem risco para as pessoas, como as fobias.

Estas experiências podem literalmente levar as pessoas ao estado de choque.







Uma simples experiência ou a repetição dela pode provocar uma "ferida profunda" e seus efeitos persistirem por anos a fio ou mesmo durarem a vida da pessoa.


Em condições extremas, o choque pode manifestar de forma muito grave, como nos casos da "Transtorno do Estresse Pós-Traumático" (TEPT), que necessita de cuidados especiais.





As pessoas com traumas emocionais podem também apresentar problemas de saúde física.
E assim, é muito importante avaliar a sua segurança interna, pois podem romper o sentido da vida. É importante e essencial descobrir meios de restabelecer a sensação de segurança o mais rápido possível.

As possibilidades do futuro podem-se transformar em inferno emocional para algumas pessoas, como para quem tem medo de:













= Envelhecer, fracassar em qualquer empreendimento; 
Pessoas que se acham perseguidas, com possibilidade de acidentes em viagens, de perder relacionamentos, de morte de ente querido, 
=  De ser despedido do trabalho; atos terroristas, roubos, violências físicas.
As pessoas que se tornaram traumatizadas emocionalmente se tornam inseguras e sentem que a vida ficou fora de controle.
O trauma emocional pode incluir sensações ou sentimentos de:
= Ódio / = Raiva / = Ressentimento / = Mágoa / = Rejeição /
= Depressão / = Tristeza / = Distorções negativas da realidade / = Ansiedade / = Pensamentos negativos obsessivos / = Medo /  = Inveja / = Humilhação
5 - COMPLEXOS 

Tal como acontece nos traumas, são também experiências de sofrimento emocional, vivências de forte impacto; porém com uma intensidade e deformação mais profunda e marcante do que o trauma.

A origem desse complexo é nossa necessidade de nos sentirmos aceitos pelos outros.








Esse termo foi define como um agrupamento de elementos psíquicos que envolvem conteúdos de tonalidade fortemente emocional.

Os conteúdos de um complexo podem ser conscientes ou inconscientes.













Mas geralmente são adquiridos na infância, por cristalização das relações humanas num círculo familiar e social, ao mesmo tempo típico e singular. 

Pode-se, em geral, dizer que os conflitos psíquicos fundamentais, provocados geralmente durante as etapas de desenvolvimento infantil, podem gerar um complexo. 






Muitos Complexos são provocados por situações:
sexuais,
= econômicas,
= sociais,
= culturais.

Podendo-se, deste modo, distinguir complexos de superioridade, inferioridade e outros.













Conseqüentemente, embora a infância seja a fase mais própria à germinação de complexos, eles podem ser provocados e manifestarem-se em qualquer fase da vida.

6 - ESTRESSE 

É um estado de tensão que causa uma ruptura no equilíbrio interno do organismo.

Inimigo silencioso, o stress pode prejudicar o coração, atacar o estômago, levar a depressão e provocar a sensação de eterno cansaço e frustração.





A pessoa estressada vive em permanente estado de apreensão, ansiedade e irritação.

A princípio, o stress não é uma doença, e sim uma reação natural do organismo a situações de tensão física ou psicológica.

Há autores que definem a era moderna como a Idade da Ansiedade, associando a este acontecimento psíquico a agitada dinâmica existencial da modernidade; sociedade industrial, competitividade, consumismo desenfreado e assim por diante.









Diz-se que a simples participação do indivíduo na sociedade contemporânea já preenche, por si só, um requisito suficiente para o surgimento da Ansiedade.

Portanto, viver ansiosamente passou a ser considerado uma condição do homem moderno ou um destino comum ao quais todos estamos, de alguma maneira, atrelada.



Nas últimas décadas, a expressiva mudança em todos os níveis da sociedade passou a exigir do ser humano uma grande capacidade de adaptação física, mental e social.

Muitas vezes, a grande exigência imposta às pessoas pelas mudanças da vida moderna.






E conseqüentemente, a necessidade imperiosa de ajustar-se à tais mudanças, acabaram por expor as pessoas à uma freqüente situação de conflito, ansiedade, angústia e desestabilização emocional.


O endocrinologista canadense Hans Selye (1907-1982) foi o primeiro a pesquisar seriamente o estresse na década de 1930 sobre estresse.

Ele observou que organismos diferentes apresentam um mesmo padrão de resposta fisiológica para estímulos sensoriais ou psicológicos.

E isso teria efeitos nocivos em quase todos os órgãos, tecidos ou processos metabólicos, fungos, etc.









O estresse patológico surge como uma conseqüência direta dos persistentes esforços adaptativos da pessoa à sua situação existencial.


Seria impossível e, ao mesmo tempo, extremamente indesejável eliminar completamente todos os tipos de Estresses.

Fisiologicamente, a ausência total de Estresse equivale à morte.


O que devemos tentar fazer é reduzir, nas pessoas, os efeitos danosos do Estresse que sociedade proporciona e sensibilizá-las para os meios capazes ajudar a administrar melhor os estressores do cotidiano.

Devemos buscar uma postura onde o Estresse seja um acontecimento positivo e não um empecilho ao desempenho pessoal, à saúde e à felicidade.

O ideal seria adquirirmos habilidades para melhorar física e mentalmente nossa resistência ao Estresse, bem como eliminar o Estresse desnecessário. Atitudes assim baseiam-se na modificação de alguns aspectos no estilo de vida nas atitudes.

Aproximadamente 50 a 75% de todas as consultas médicas estão direta ou indiretamente relacionadas ao Estresse.













A medicina não deve ter apenas um papel importante no tratamento das doenças ligadas ao Estresse, mas, também e principalmente, deve dar ao assunto uma conotação preventiva e educacional.

Conhecer o Estresse, suas causas, sinais e sintomas é fundamental importante para aprendermos a lidar com ele.

Estar estressado significa "estar sob pressão" ou "estar sob a ação de estímulo persistente".













Na realidade, estar estressado significa um conjunto de alterações acontecidas num organismo em respostas à um determinado estímulo capaz de colocá-lo sob tensão.

Esse "conjunto de alterações" é o Estresse, que são as reações do organismo. É uma resposta que a natureza dotou os animais superiores ao perigo.







7 - SENTIMENTO DE CULPA 

Origina-se na consciência, do superego, quando se sente responsável pela quebra de uma lei ou regra.

São sentimentos e idéias de autocondenação.












Que, na verdade, estão ligados a um exagerado padrão de exigência da pessoa, que cobra de si mesma muito acima do que lhe é possível corresponder.

Entendendo o sentimento de culpa como uma espécie de freio interno, nascido da capacidade que desenvolvemos, entre os 6 e 7 anos

De nos colocarmos no lugar do outro e podermos imaginar o que ele sente.










Se percebermos que ele está sufocado por uma forte dor, e nos reconhecemos como causadores desta sensação, uma grande tristeza nos invade.

É como se vivêssemos a mesma dor que pensamos estar causando ao outro, associada à amargura de termos sido os responsáveis por ela.










Como o sofrimento decorrente da dor que provocamos costuma ser intenso, evitamos nos expor a ele.

Assim, a culpa se torna um importante freio moral, limitador de nossas ações.

Não podemos maltratar alguém – já que seremos castigados interiormente da mesma forma – nem ter condutas que possam ferir os direitos alheios, pois isso também nos faz sofrer.







Muitos se contêm pelo medo de represálias – até divinas. Possuem freios externos, ENQUANTO AS QUE SENTEM CULPA SÃO LIMITADAS POR RAZÕES INTERNAS.






Agem de modo mais rigoroso e são moralmente mais sofisticadas. Tendem a ser menos agressivas e mais controladas em suas ações, com o objetivo de não provocar dor nos outros.

Vamos ver como as coisas se complicam quando uma pessoa capaz de se sentir culpada (EGOCÊNTRICOS ) se relacionam com as incapazes de ter tal sentimento (EGOÍSTAS )– caso em que se enquadram:


EGOÍSTAS
EGOCÊNTRICOS

PEDE UM FAVOR
NEGA
FAZ CARA DE TRISTEZA E CHORO NA MAIORIA DAS VEZES, PURA ENCENAÇÃO.
SE SENTE CULPADO, pois se considera causador daquele sofrimento. Acaba por atender ao pedido para se livrar do tormento da culpa. O que ocorre é que, por esse mecanismo, o generoso se responsabiliza por dores que ele não causou.
ACUSA DE FAZÊ-LO SOFRER APENAS POR SE RECUSAR A SATISFAZER UM CAPRICHO SEU.
SE NÃO ENTENDER O QUE SE PASSA, ACABARÁ POR ABRIR MÃO DE COISAS A QUE TEM DIREITO.


A culpa só deve funcionar como freio quando formos efetivamente os causadores de um dano. Não podemos nos sentir culpados por lutar pelos nossos direitos.

Não devemos abrir mão de algo que possuímos apenas porque outra pessoa também o deseja.

Só é legítimo nos curvarmos à tristeza e à indignação do outro quando nos apropriamos do que não nos pertence.
Disputa-se em igualdade de condições, temos de lutar pela nossa vitória. Isso não deve gerar culpa, nem mesmo se o perdedor fizer de tudo para nos comover.

Em condições idênticas, é melhor que o outro fique triste do que nós. Provocar culpa no outro em situações indevidas é o que chamamos de chantagem emocional.

Quando desejam que sua vontade seja cumprida, certas pessoas exageram no sofrimento pelo qual passarão caso não sejam atendidas.

Exercem o egoísmo impondo seus caprichos sobre quem tem forças para reagir à pressão. A chantagem emocional é tão cruel e imoral quanto o uso de uma arma de fogo para pressionar o outro a agir de acordo com os nossos interesses.

Devemos formar um juízo acurado sobre a culpa, de modo a só nos guiarmos por esse freio nos casos em que estivermos, de fato, ultrapassando os limites dos nossos direitos.

O que é?
Definição
Ansiedade
É um estado afetivo caracterizado por um sentimento de insegurança; é um desejo ardente, uma aflição, uma incerteza quanto ao amanhã.
É a sensação, às vezes vaga, de que algo desagradável está para acontecer.
Inclui um conjunto de sintomas, como "tensão" e "nervosismo", e do ponto de vista físico, tremores nas mãos, "frio na boca do estômago" e, nos casos mais intensos, desarranjos intestinais e urinários.
Angústia
Poderíamos conceituar como sendo uma dor psíquica, decorrente de um medo da perda de algo nem sempre claramente localizado.
Em se tratando de reações de medo a objetos ou situações definidas, teríamos a angústia atual; ao passo que sendo resposta a um medo desconhecido, não identificado, teremos a angústia neurótica.
Depressão
Trata-se de um sentimento generalizado de tristeza, cujo grau pode variar de um desalento moderado até ao mais intenso desespero.
Causa desânimo, uma profunda tristeza e até vontade de morrer.
É um sentimento de desespero e incapacidade de lidar com a vida.
O período de duração da depressão é bastante variável, podendo desaparecer em poucos dias ou estender-se por semanas, mêses e até anos a fio.
Traumas
É um choque emocional, que por sua violência desencadeia perturbações na mente (psiquicas) e no corpo (somaticas).
São experiências de sofrimento emocional, humilhações, vivências de forte impacto, medos, reações de ansiedade desmedida, ou seja, quando a reação não é compatível ao evento.
Complexos
Tal como acontece nos traumas, são também experiências de sofrimento emocional, vivências de forte impacto; porém com uma intensidade e deformação mais profunda e marcante do que o trauma.
Sentimento
de culpa 
Origina-se na consciência, quando se sente responsável pela quebra de uma lei ou regra. São sentimentos e idéias de autocondenação que, na verdade, estão ligados a um exagerado padrão de exigência da pessoa, que cobra de si mesma muito acima do que lhe é possível corresponder.

 
Ira / Medo
É o desejo ardente de corrigir, apagar ou destruir algo ou alguém que nos incomoda ou nos ameaça. Sentimento grave de inquiteação ante a noção de um perigo real ou imaginário.

Desejo de fugir, se esconder de algo ou alguém que nos incomoda ou nos ameaça.
Stress
É um estado de tensão que causa uma ruptura no equilíbrio interno do organismo.

Inimigo silencioso, o stress pode prejudicar o coração, atacar o estômago, levar a depressão e provocar a sensação de eterno cansaço e frustração.

A pessoa estressada vive em permanente estado de apreensão, ansiedade e irritação.

A princípio, o stress não é uma doença, e sim uma reação natural do organismo a situações de tensão física ou psicológica.
Agressividade
É um sentimento inerente a todos os homens e mulheres.

Trata-se de atitudes de agressão e destruição dirigidas a outro ser humano ou objetos.

São impulsos ou comportamentos violentos atrelados ao desejo de inflingir sofrimento aos semelhantes, ás vezes com intuito de obter prazer.

4 comentários:

  1. PARABENS PELA MATERIA!

    PARA MIM FOI DE GRANDE AJUDA!

    VOU IMPRIMIR E MANDAR PARA VARIAS PESSOAS!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Quel.
      Sinto-me honrada em poder ajudar, através dos textos, se quiser leia também, em outros blogger mais matérias:

      1 - http://cassiarodriguespsicanalise.blogspot.com

      2 - http://nodivacomcassiarodrigues.blogspot.com

      3 - http://modadacassia.blogspot.com

      Beijos no seu coração

      Excluir
  2. Parabéns pela postagem bem explicativa e tbm bem ilustrada. São problemas terríveis que põe a nocaute o ser que sofre. Eu tenho um blog que leva esses esclarecimentos e consciencia para as pessoas. Eu associo psicologia com espiritualidade, e ponho fé que ambos estão ligados. Abração.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada pelo carinho, é bom saber que podemos contribuir...........Um abraço

      Excluir